Conheça detalhes do 1º CD de Kau Mascarenhas
 
CRIANÇAS OU LOBOS?

Na Índia ocorreram alguns casos de "meninos-lobo", crianças criadas pelos animais e que foram descobertas nas florestas.

Alguns pais abandonavam os filhos na mata, às vezes bebês ainda, por não poder criá-los e alimentá-los. Incrivelmente, em alguns casos, ao invés de devorarem as crianças, os lobos passavam a cuidar delas como se fossem seus filhos.

Em 1920, Amala e Kamala foram encontradas em meio a uma família de lobos. A primeira tinha provavelmente um ano e meio, e morreu um ano após ser recolhida. Kamala, de oito anos, viveu mais oito na instituição que a acolheu.

Essas crianças nada tinham de comportamento humano. Caminhavam de quatro como lobos; durante o dia buscavam lugares escuros onde ficavam prostradas, e à noite se tornavam agitadas e ruidosas; uivavam como lobos e comiam carne crua.

Kamala precisou de seis anos para aprender a andar e antes da sua morte registrou-se apenas o aprendizado de um vocabulário limitado a cinquenta palavras.

O desenvolvimento da afetividade foi acontecendo muito lentamente. Chorou pela primeira vez quando Amala morreu, e se mostrou apegada a algumas pessoas que cuidaram dela.

Quando pensamos a respeito desse fato, é possível perceber que havia nessas crianças uma grande diferença entre constituição física e linguística do cérebro.

Biologicamente, Amala e Kamala tinham cérebros humanos. No entanto, linguisticamente, suas mentes eram de lobo.

Assim foram programadas pela vida.

Podemos comparar o cérebro humano a um maravilhoso computador. Uma máquina fantástica, com impressionante capacidade de processamento de dados e memória, e que nunca será igualada por qualquer artefato construído pelo homem.

Porém, esse maravilhoso "equipamento" precisa de uma programação para poder nos ajudar a chegar onde queremos.

Nossas crianças precisam encontrar na família um reforço constante de uma programação positiva, que as alimente de dados impulsionadores do sucesso.

O papel educador da escola não exclui a missão educadora da família.

E juntas, escola e família, podem se tornar aliadas no lindo processo de despertar nas crianças os seus recursos latentes, o poder que possuem e que ainda está adormecido.

Assim, a sua humanidade vibra e se mostra produtiva.

"Meninos-lobo" continuarão existindo em nossa sociedade, ainda agora em tempos modernos, pois serão programados para isso.

A idéia de seres humanos aprisionados em corpos animais povoa o imaginário coletivo e gerou inumeros contos infantis. Príncipes em sapos, princesas em cisnes... Encantamentos de bruxos que queriam castigar.

Agora é o momento de pensar em nosso poder de transformar positivamente.

Cabe a todos nós, educadores e pais, a maravilhosa tarefa de influenciar nossas crianças de forma decisiva, para uma escolha de vida mais humana e plena de significado.

Cabe a nós todos ajudá-las numa programação para o sucesso e para a felicidade.

 

(Kau Mascarenhas)